quinta-feira, 26 de maio de 2011

Trezentos e sessenta e cinco dias


Sentada, paralisada observando pessoas caminhando algumas com pressa outras caminhavam lentamente, algumas se focavam em uma única e determina coisa, outras se distraiam se deixando levar, por cada detalhe por cada pessoa que cruzava com seus olhos.
E eu ali olhando no relógio de cinco em cinco minutos, a espera de alguém, alguém que ... bom alguém que era só mais um alguém, que eu nem ao menos conhecia, não fazia idéia de quais eram seus sonhos, e o que o deixava feliz, só havia trocado algumas mensagens em uma rede social qualquer. O que eu sabia? Sua idade, seu telefone, sua altura, nada mais do que números idiotas e banais, que não eram capazes de me dizer quem realmente era ele.
Mais eu fiquei ali a espera dele... até que no meio da multidão eu o encontrei...e então eu sorri, sorri não só para mais um alguém, sorri para o amor, para o meu amor
Confesso que naquele momento eu jamais pensei que ele seria o meu amor, mais quando se trata de amor, não é preciso pensar, só é preciso sentir, e pronto a confusão está feita.
Eu o senti, sem porque, sem querer, sem pra que, já era amor antes mesmo de ser.

.-.Melissa Lobo.