quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Tem um minuto?


Hoje eu queria o colo de um estranho, desses que a gente conhece no ponto de ônibus, em uma praça esquecida ou na fila do pão, queria alguém que tivesse duas horinhas livres, que permanecesse em silêncio prestando cuidadosamente atenção em cada pedaço dessa nossa história a la sessão da tarde, queria alguém que não tivesse um monte de conselhos ensaiados na ponta da língua e frases de efeito que até eu já decorei, não preciso de um livro de auto ajuda ambulante, nem de um amigo metido a psicólogo tentando entender minhas dores, quero só um desconhecido que me deixe desabar em palavras clichês e frases confusas, alguém que fique sem saber o que dizer quando eu terminar, mas possa  me dar um abraço sincero e um colo seguro, alguém que sinta minhas dores na intensidade de cada silaba pronunciada, que pegue para si um pouquinho dessa dor só pra ver meu peito um pouco mais leve, quero alguém que saiba fazer cafuné, que possa chorar comigo sem ter um milhão de julgamentos prontos, alguém que como eu não saiba o que fazer, porque não tem, sabe?! É só o tempo que pode tratar dessas feridas, mas esse clichê já vem escrito, ninguém precisa me dizer.
Hoje eu só queria encontrar um desconhecido, alguém que não soubesse o que dizer, mas que tivesse o ouvido disponível pra me ouvir desabafar toda essa angustia presa aqui dentro.

Texto escrito em um guardanapo amassado, desconhecido, de uma festa animada.