quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Sempre fui do tipo que acredita que não existe pessoas más, e sim perdidas. Sozinha observando a chuva cair, o amargo do café me dominou, e então notei que talvez eu sempre estive perdida. Nunca tive uma vida estável, nunca estive em um lugar por muito tempo. Era difícil ter amigos, era difícil manter as pessoas por perto, quando meu destino era incerto. Então me tornei sincera de mais, egoísta de mais, revoltada e louca de mais. Eu vivi, senti, fui feliz, chorei, sorri, conheci pessoas, me relacionei com pessoas legais e outras não tão legais assim, menti, fugi, provoquei, pequei, roubei, e quando já não havia mais forças, eu dancei na chuva e soube que eu era a pessoa mais perdida que eu já conheci, e não havia alguém que pudesse ser mais solitária e feliz como eu.

Melissa Lobo.